segunda-feira, 10 de Agosto de 2020

 
caetano 468x60
Passageiros & Mobilidade
30-03-2020
Mobilidade com distanciamento
MaaS reinventa-se em tempo de pandemia
A pandemia de coronavírus está a obrigar ao isolamento social, com fortes restrições na mobilidade. Contudo, há situações em que é permitido circular na rua, mas é imperativo que o façamos em segurança. Nesse sentido nascem projetos de Mobility as a Service (MaaS) adaptados aos tempos que vivemos e que permitem deslocar-nos em segurança, o que significa manter regras de distanciamento uns dos outros. Os modos suaves, como bicicleta e trotineta, mas também o veículo individual ganham ainda maior força nestes dias, uma vez que as populações evitam os transportes públicos e maiores aglomerações de pessoas. 

Um dos projetos recentemente apresentado é o COvid-19 REsilient Mobility as a Service (CORE MaaS), desenvolvido pela Iomob, uma plataforma tecnológica de MaaS. “Bicicletas, trotinetas e veículos elétricos têm vindo a ser cada vez mais elogiados pelos benefícios económicos e ambientais. Mas agora estamos a verificar que este tipo de veículos é observado como mais uma opção para a comunidade se movimentar evitando o contágio”, diz Scott Shepard, especialista em mobilidade.

O projeto CORE MaaS vai disponibilizar algoritmos de rota intermodais, já utilizados pela Iomob, mas agora terão em conta como primeiro parâmetro o distanciamento social. Isto vai permitir aos utilizadores selecionar as opções de mobilidade disponíveis numa determinada área geográfica e evitar ao máximo o contacto com outros cidadãos. Scott Shepard explica que “um utilizador que procura um percurso entre a sua casa e o local de trabalho, farmácia, banco ou outro local autorizado para deslocações, vai encontrar opções de percurso que tenham maior distanciamento social possível e que minimizem o risco de infeção”.

Os serviços vão suportar, sempre que possível, modos de pré-pagamento, através de apps, para que o utilizador e o condutor não violem os requisitos de distanciamento social.

O CORE MaaS será possível após o desenvolvimento de uma plataforma aberta middleware, baseada em SDK (kit de desenvolvimento de software), que envolve os fornecedores de serviços de mobilidade, transportes públicos, táxis e outros serviços de mobilidade em diferentes cidades europeias.

O projeto CORE MaaS é candidato no concurso que a Comissão Europeia (CE) lançou, dirigido a startups e empresas tecnológicas, com carácter de urgência. A CE fez um apelo urgente a estas entidades para ajudarem a dar resposta aos desafios da mobilidade durante a pandemia de Covid-19. O período de candidaturas fechou a 20 de março e tem um orçamento de 164 milhões de euros. Boyd Cohen, CEO da Iomob, recorda que desde o momento do lançamento da candidatura, desenvolveram “em 48 horas uma robusta proposta para esta emocionante oportunidade”. Neste processo, contaram com a parceria de várias empresas como a ITS Finland, MaaS Alliance, MaaS America e MaaS Global, bem como com a BestMile, a Autoridade Metropolitana de transportes de Barcelona e, entre outras, a LNER – London North Eastern Railway.
por: Sara Pelicano
Tags: CORE MaaS   Covid19   MaaS   Mobilidade  
1062 pessoas leram este artigo
320 pessoas imprimiram este artigo
0 pessoas enviaram este artigo a um amigo
0 pessoas comentaram este artigo
Comentários
Não existem comentários
  
Deixe o seu comentário!

 


 

  

 
 
 
 
 
 












RSS TR Twitter Facebook TR Transportes em revista

Dicas & Pistas © 2009, Todos os Direitos Reservados

Condições de Utilização | Declaração de Privacidade
desenvolvido por GISMÉDIA