segunda-feira, 20 de Novembro de 2017

 
Carga & Mercadorias
09-11-2017

Tendências que vêm para ficar
Falar do futuro é sempre apetecível, pois liberta-nos de alguns pressupostos que a atualidade nos amarra e possibilita teorizarmos sobre o que pensamos poder vir a ser a realidade que um dia chegará aos nossos dias.

Se neste exercício há quem tente conceptualizar, baseado nas tendências existentes - seja nos movimentos do mercado, da Economia ou na evolução de modelos, processos, métodos ou mesmo da tecnologia - outros há, que pelo seu ceticismo, de tudo descreem e de tudo desconfiam.

É para estes que dirijo estas palavras, com o intuito e esperança de os alertar que é prudente estarmos atentos às tendências e em particular da área profissional onde cada um exerce a sua atividade, isto partindo do pressuposto que se quer crescer nos conhecimentos e na ambição.

O advento tecnológico tem vindo a proporcionar, através de novas ferramentas, instrumentos e mecanismos, alterações substanciais nos modelos de negócio, nas cadeias de decisão, nos processos de trabalho e na otimização de capacidades e recursos. A chamada digitalização da Economia tudo tem transformado e os seus impactos são transversais e multidimensionais.

Muitas atividades incorporaram já os impactos criados pela digitalização, ganhando todos eles mais eficiência e mais eficácia, reduzindo custos e aumentando capacidades, atingindo níveis de sustentabilidade que os anteriores métodos e processos dificilmente alcançariam. Seja em mercados B2C ou B2B, não há atividade que escape a esta onda, onde os algoritmos impõem as decisões sempre mais racionais e otimizadas.

O transporte de mercadorias não foge a este “tsunami” progressivo e muitas já são as áreas onde os efeitos se fazem sentir. Basta olhar à nossa volta e deparamo-nos, por exemplo, com a automação ou a robotização que tendem a substituir a presença humana.

É caso para espanto ou dúvida? Penso que não, basta olharmos para o setor da construção automóvel, para a industria farmacêutica e para tantas outras atividades...

Nos transportes, há muito que as tecnologias de informação e comunicação, estão presentes nas áreas da gestão, planeamento, produção, controle, etc. O que amanhã teremos nas nossas organizações e em boa parte das atividades económicas é a inteligência artificial a tomar decisões que anteriormente eram da competência de um departamento ou área da empresa.

É o mundo a correr e com ele correm dados e informações, de tudo e de todos.

Apontado como o grande negócio do futuro, os dados gerados pela digitalização são um diamante em bruto, que poucos estão habilitados a lapidar. Alguns já sabem tirar partido deles e quase ninguém apresenta mecanismos robustos para a sua segurança e proteção. Com ou sem automação e robotização, com ou sem inteligência artificial, os dados já existem e sabendo do seu valor e importância, a sua proteção é hoje uma obrigatoriedade para todas as empresas, à luz do regulamento geral de proteção de dados.

Crentes ou descrentes, as novas tendências vieram para ficar.

por José Monteiro Limão
 
471 pessoas leram este artigo
56 pessoas imprimiram este artigo
0 pessoas enviaram este artigo a um amigo
0 pessoas comentaram este artigo
Comentários
Não existem comentários
  
Deixe o seu comentário!

 


 

  



Spinerg


  




Chronopost







RSS TR Twitter Facebook TR Canal Transportes Online

Dicas & Pistas © 2009, Todos os Direitos Reservados

Condições de Utilização | Declaração de Privacidade
desenvolvido por GISMÉDIA